sexta-feira, 28 de abril de 2017

OFICINA RECICLAGEM - APAE DE NOVA AURORA

PROJETO – A ARTE DE RECICLAR

INTRODUÇÃO

              O presente projeto visa instigar nos alunos com deficiência intelectual e múltipla a consciência ambiental, aprendendo desde os anos iniciais hábitos responsáveis que os levem, por meio de atividades, a propostas em sala de aula, uma consciência reflexiva, um entendimento melhor sobre informações referentes à como reciclar, reutilizar, reaproveitar os materiais recicláveis. Discerni-los, e aprender a verdadeira função social de reciclagem. Entende-la como fonte de renda, melhoria do ambiente em que vivemos e aprendizagem, fazendo com que os mesmos levem os conhecimentos aprendidos e d disseminem em suas famílias e sociedade.
                        A aplicação desse projeto não se restringe ao ambiente físico somente, mas, inclui, principalmente, relações sociais, econômicas e culturais. O enriquecimento cultural dos alunos com deficiência intelectual e múltipla a respeito desse assunto. No que o descaso com o meio ambiente nos atinge diretamente e indiretamente? Como está estereotipada a reciclagem na sociedade atualmente? Essas questões podem muito bem serem trabalhados com alunos não somente dos primeiros anos como é proposto aqui, mas desde a educação infantil, uma vez que como já mencionado anteriormente essas informações devem se tornar um habito e não ensinadas isoladamente. Uma vez que o futuro do planeta depende dos alunos de hoje também.
              Geralmente o aluno desenvolve com mais sensibilidade o gosto e o amor pela natureza já no adulto, muitas vezes, é preciso desenvolver o respeito. Percebe-se, portanto, que a Educação Ambiental está presente em todas as esferas da sociedade, as falas estão cada vez mais intensas. Porém a destruição continua. E por quê? A cidadania tem fator fundamental para conscientização deste contexto global.

METODOLOGIA

              Abordar a questão sobre o lixo (plástico) e suas implicações, seu destino final, possíveis alternativas para solucionar esta situação, resultando em uma das opções, a reciclagem.
              O trabalho foi desenvolvido com duas turmas do EJA, contendo bases conceituais como, preparar o material para a realização das aulas de artesanato com os educandos.
              Preparar o aluno com deficiência intelectual e múltipla de acordo com as habilidades de cada um.
              Utilizar estratégias para facilitar a memorização individual do educando.
              Atitudes concretas: coleta seletiva de garrafas plásticas e potes de sorvete; recortes, colagens, dobraduras; montagem das caixas, cestas e bonecas de pano; confecção de cartazes; montagem de vídeos; fotos; confecções de flores.

PÚBLICO ALVO

Professores e alunos da EJA - Educação de Jovens e Adultos.

JUSTIFICATIVA

              O projeto sobre a arte de reciclar, te por princípio básico conscientizar os alunos com deficiência intelectual e múltipla sobre a necessidade de construir uma prática social baseada na preservação do ambiente e, devido ao grande número de descartes de plásticos, surgiu a ideia de repensar os hábitos com a reutilização desses materiais.
              Como conteúdo de planejamento semestral e com a oficina de artesanato, trabalhando as habilidades individuais e coletivas dos alunos com deficiência intelectual e múltipla.
              A Escola Novo Amanhecer é um bom lugar para se aprender sobre a importância de reaproveitar o lixo corretamente, na Escola tem se concentrado a atenção dos alunos para a questão ambiental, uma vez que o ser humano já nasce ouvindo falar em reciclagem.
              O referido projeto se concentra na montagem de bonecas de pano, cestas de Páscoa para os alunos e, principalmente, na confecção de caixinhas utilizando garrafa pet, para posteriormente e em data prevista, dar como lembrança para o dia das mães.
              O Projeto é desenvolvido pelos alunos da EJA com duas turmas do período matutino e posterior será estendido para toda escola, onde cada professor, juntamente com seus alunos e instrutor darão continuidade ao projeto.

OBJETIVO GERAL

- Compreender a importância da reciclagem, estimulando mudanças de comportamentos e promovendo a socialização.

OBJETIVO ESPECÍFICO

- Incentivar o cuidado com o meio ambiente por meio da reutilização das garrafas pet, e potes de sorvete.

CRONOGRAMA

Abril a dezembro/2017

FONTES CONSULTADAS

 - DIY - Caixinha de garrafa PET e EVA (RECICLAGEM) - DIA DAS MÃES. Duração: 19`24”. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7uYN1sN0FZg>.
- Diy - Caixinha de Garrafa Pet e EVA. Duração: 5’06”. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=LWi0bIdjGfU>.  
- Diy - Como Fazer Laços de EVA  - Faça você mesma. Duração: 3’53”. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=B2jcfMlzXVY>.
- Como fazer laços de EVA fácil. Duração: 4’47”. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=xMAla8immH8>.
- Oficina Construindo com garrafas PET – Manual do participante. Disponível em: <http://luizmeira.com/dados/recicla/pet-bricolage.pdf>.
- Trabalho Manual – Garrafa PET. Disponível em: <http://www.trabalhomanual.com.br/tag/garrafa-pet/>.
- Como fazer caixinha de presente com garrafa PET. Disponível em: <http://www.revistaartesanato.com.br/como-fazer-caixinha-de-presente-com-garrafa-pet/>.
- 38 Ideias de Artesanato com garrafa PET. Disponível: <http://artesanatobrasil.net/38-ideias-de-artesanato-com-garrafa-pet/>.
- Artesanato com garrafa PET: Lindos potes decorados com EVA. Disponível em: <https://drikaartesanato.com/2013/05/artesanato-com-garrafa-pet-potes-decorados.html>.
- Como Fazer Caixinhas e Recipientes para Presente Reciclando Garrafas Pet. Disponível em: <https://www.greenme.com.br/como-fazer/681-como-fazer-caixinhas-e-recipientes-para-presente-reciclando-garrafas-pet>.

AVALIAÇÃO

              A avaliação acontecerá de forma processual, diagnóstica e acontecerá durante todo o desenvolvimento do projeto. Terá como ponto de observação o interesse, a participação, a autonomia, a criatividade e a interação do grupo.

OBSERVAÇÃO: Projeto Oficina de Reciclagem, foi utilizado na Implementação do PDE da Professora Marilene Martini Piva

OFICINA NOTA PARANÁ - APAE NOVA AURORA

ESCOLA NOVO AMANHECER – EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL, NA MODALIDADE EDUCAÇÃO ESPECIAL
APAE DE NOVA AURORA

PROJETO: OFICINA NOTA PARANÁ

ENSINO FUNDAMENTAL E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS – EJA
SÉRIE: ATÉ O 2º ANO

MATEMÁTICA: CLASSIFICAÇÃO E SERIAÇÃO


Disciplina
Língua Portuguesa; Matemática; Ciências.

Período de Realização:
Durante todo o ano letivo.

Conteúdos: 
- Valorização dos modos de produção e circulação da escrita na sociedade;
- Distinguir números, letras e ouros símbolos;
- Classificação, seriação e ordenação;
- Conservação de quantidades;
- Inclusão de classes;
- Correspondência biunívoca[1];
- Agrupamento e troca em díspares bases.


Objetivos gerais: 
Desenvolver o pensamento lógico-matemático por meio da realização de tarefas do Programa Nota Paraná que, contemplam ideias relacionadas à classificação, seriação e conservação de quantidades e inclusão de classes e as relações espaciais.


Objetivos Específicos:
- Identificar a presença dos números nos diferentes contextos sociais;
- Distinguir números, letras e outros símbolos;
- Anotar quantidades, em contexto de jogos e brincadeiras, utilizando a escrita espontânea;
- Formar agrupamentos de (2 em 2, 3 em 3...);
- Usar diferentes estratégias para quantificar elementos: como a contagem, a correspondência biunívoca, separação e classificação das Notas / Cupons para depois serem digitadas no Programa Nota Paraná[2] e a estimativa.


Desenvolvimento metodológico:
Explicação a respeito da correspondência biunívoca. Solicitar aos alunos que formem os grupos de tampinhas, de 2 em 2, de 3 em 3... Fazendo contagens. Logo em seguida, solicitar aos alunos que classifiquem os cupons fiscais por tamanho, cores, assim por diante. Depois, por valor. Em seguida separa-los para digitação no Programa Nota Paraná – cadastro de cupons fiscais, para gerar recursos financeiros para manutenção dos Programas de Educação da Escola Novo Amanhecer. Será feita as contagens correspondentes a cada etapa da atividade. Será registrado em Tabela de Contagem das Notas / Cupons Fiscais que foram classificados e digitados no Nota Paraná. Os alunos participarão da oficina Nota Paraná, conforme Horário elaborado pela Coordenação pedagógica, juntamente com os professores e instrutores das Oficinas da Escola Novo Amanhecer.

Recursos Didáticos: 
Notas / Cupons Fiscais, tampinhas de garrafa, livro de matemática, lápis, borracha, lápis de cor, giz para desenhar a amarelinha e pedrinhas para marcar as casinhas, computador com acesso à internet para trabalhar no cadastro dos Cupons/Notas no Programa Nota Paraná. Smartphone dos professores e alunos, também, serão utilizados na Oficina do Nota Paraná, para castro das Notas/Cupons fiscais.


Avaliação: 
Avaliação processual e contínua. Observação do desempenho individual.
Por meio da observação e fichas preenchidas pelo professor (a) em todas as atividades realizadas pelo aluno com deficiência intelectual e múltipla, não sendo considerado somente o produto final, mas, o esforço de cada um em realizar as atividades propostas na Oficina da Nota Paraná.



OBSERVAÇÃO: Projeto Oficina Nota Paraná, foi utilizado na Implementação do PDE da Professora Marilene Martini Piva 



[1] Correspondência biunívoca é uma expressão dada aos conjuntos na qual possuem em comum o mesmo número de elementos. Darei alguns exemplos para ficar mais fácil a compreensão. Disponível em: <http://matematicanaweb.com.br/assuntos/numeros-naturais/correspondencia-biunivoca/>.
[2] É um programa de estímulo à cidadania fiscal no Estado do Paraná, que tem por objetivo incentivar os consumidores a exigirem a entrega do documento fiscal. Os consumidores que, no momento da compra, solicitarem a inclusão do número de seu CPF no documento fiscal acumularão créditos e concorrerão a prêmios em dinheiro. Os créditos e os prêmios poderão ser recebidos em conta bancária, utilizados para abatimento de IPVA ou convertidos em créditos para celular. Disponível em: <http://www.notaparana.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=30>. 

OFICINA DE CULINÁRIA APAE DE NOVA AURORA

PROJETO

COZINHA EXPERIMENTAL 

 OFICINA DE CULINÁRIA

ASSUNTO: Culinária        
ESCOLA: Novo Amanhecer – Educação Infantil e Ensino fundamental, na Modalidade Educação Especial
APAE: Associação de Pais, Amigos e Excepcionais de Nova Aurora
TURMA: Alunos da Educação de Jovens e Adulto – EJA

JUSTIFICATIVA

              Ampliar as oportunidades para os educandos da Escola Novo Amanhecer, que estão na Educação de Jovens e Adultos – EJA.
              Para isso foi elaborado dentro do Projeto Cozinha Experimental, a Oficina de Culinária que está funcionando desde 2003.
              Para atender as especificidades dos alunos com deficiência intelectual e múltipla é preparado e organizado todo o material necessário para a realização das atividades propostas.
              Na oficina de culinária são trabalhadas as habilidades específicas da culinária e, também, atividades relacionadas com a mesma. Tais como:
- Preparar alimentos, melhorando a sua alimentação e da sua família;
- Aprender sobre a importância da boa alimentação para ter uma vida saudável;
- Preparar alimentos com higiene e qualidade para comercializar;
- Qualificar e profissionalizar-se na preparação, na manipulação e no reaproveitamento de alimentos.
         Também é trabalhado com os alunos da EJA higiene com o próprio corpo, com as roupas e com o local de trabalho e, atividades que juntam as regras básicas de convivência e autonomia individual, familiar, social e noções de cidadania, com objetivo de melhorar a qualidade de vida do aluno com deficiência intelectual e múltipla e sendo mais cidadão, atuante na sociedade, consciente dos seus direitos e deveres.
            A Oficina de Culinária visa orientar, preparar, capacitar e qualificar o aluno com deficiência intelectual e múltipla para ter uma melhoria na sua qualidade de vida, e, ainda para concorrer a uma vaga no mercado de trabalho seja ele autônomo, competitivo ou apoiado.
            A prioridade das atividades desenvolvidas na Oficina de Culinária 2003 é a produção de pães, salgados, doces, mini pizza, pratos do dia a dia (alimentação tais como, arroz, feijão, macarrão, e assim por diante).
              Assim a produção é confeccionada de acordo com a demanda e encomendas.

EIXO DE TRABALHO E CONTEÚDOS:

- Português
- Matemática
- Artes
- Temas transversais: Ética, Saúde, Meio Ambiente.
- Reciclagem de resíduos gerados na cozinha (sustentabilidade).


OBJETIVOS GERAIS:

- Desenvolver capacidades básicas específicas e de gestão;
- Promover a socialização;
- Cooperar para a inclusão da pessoa com deficiência intelectual e múltipla no meio em que vive, reforçando suas habilidades e respeitando o limite de cada um.



OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

- Atender o aluno com deficiência intelectual e múltipla particularmente e ou em grupo de acordo com a especificidade de cada um.
- Procurar parcerias no desenvolvimento das ações.
- Desenvolver no aluno com deficiência intelectual e múltipla os valores de cidadania, socialização, disciplina, solidariedade, responsabilidade, senso crítico e compromisso com suas atividades.
- Desenvolver o gosto pelas atividades pertinentes à culinária.
- Propiciar ao aluno com deficiência intelectual e múltipla oportunidades de se qualificarem nas atividades domésticas imprescindíveis à vida diária.
- Orientar como organizar armários, prateleiras, geladeiras, separando os alimentos adequadamente de acordo com a categoria e a data de validade.
- Executar receitas várias, explorando: quantidade, peso, medida, sólido, líquido, sabor, cheiro, temperos, assim por diante.
- Orientar quanto ao uso de roupas apropriadas e uniformes para a realização das atividades: aventais, toucas, máscaras, assim por diante.
- Preparar o aluno com deficiência intelectual e múltipla para fazer a higienização correta do corpo como: unhas cortadas e limpas, lavar braço e antebraço, cabelos limpos e presos.
- Orientar o aluno com deficiência intelectual e múltipla como deve ser organizada a cozinha e o material utilizado.
- Explanar como fazer a higienização adequada dos alimentos que serão aproveitados, de acordo com o manual de normas e rotinas da cozinha experimental.
- Preparar o aluno com deficiência intelectual e múltipla para comercializar os produtos.

METAS

- Promover reuniões com os familiares dos educandos inseridos nas oficinas.
- Orientar o aluno com deficiência intelectual e múltipla para a participação efetiva de todos no desenvolvimento das atividades.
- Aprimorar as habilidades do aluno com deficiência intelectual e múltipla relacionadas à culinária.
- Desenvolver habilidades para a confecção de pratos simples e econômicos.
- Aprender a reaproveitar os alimentos e ter higiene com os mesmos.
- Desenvolver habilidades no aluno com deficiência intelectual e múltipla de iniciativa, compromisso e responsabilidade.
- Orientar o aluno com deficiência intelectual e múltipla quanto à economia, zelo, capricho, dedicação e organização do material utilizado.
- Orientar quanto ao reconhecimento e a valorização do seu trabalho.
-Propiciar oportunidades para divulgar e comercializar seus produtos.

SÃO AS HABILIDADES ESPECÍFICAS TRABALHADAS NA OFICINA DE CULINÁRIA:

- Higiene pessoal e ambiental;
- Limpeza do ambiente;
- Uso de roupas adequadas e uniformes;
- Vigilância Sanitária;
- Contaminação alimentar;
- Estrutura física e funcional de uma cozinha;
- Organização do ambiente, maquinários, equipamentos e utensílios;
- Uso correto de medidas;
- Receitas;
- Balança e outros instrumentos de medida;
- Adaptação das medidas
- Identificação dos ingredientes utilizados em cada receita;
- Função;
- Armazenamento;
- Conservação;
- Confecção de massas e o preparo de diversos tipos de salgados, mini pizzas e bolos;
- Forneamento de mini pizzas e salgados;
- Uso adequado do forno e maneira correta de fritura;
- Técnicas para acondicionamento e conservação dos alimentos.

TÉCNICAS

- Limpeza corte e preparação de alimentos.
- Preparação intermediária dos alimentos: moer, ralar, cortar, liquidificar, descongelar.

ESTRATÉGIAS:

- Conversar com os familiares dos educandos para que conheçam o projeto desenvolvido.
- Preparar o aluno com deficiência intelectual e múltipla de acordo com os desejos e habilidades de cada um.
- Fazer das aulas de culinária um período agradável de prazer e descontração.
- Utilizar técnicas e dinâmicas coerentes com o grupo.
- Preparar o material para a realização das aulas de culinária junto com os educandos.
- Desenvolver parcerias com a comunidade local, para a aquisição de matéria prima para a produção.
- Divulgar, expor e comercializar os produtos na escola e na comunidade, através de propagandas na rádio local, cartazes, panfletos e outros.
- Orientar os educandos quanto a valorização do seu trabalho.
- Utilizar estratégias para facilitar o reconhecimento, memorização e valor do dinheiro.
É organizado um cronograma das atividades realizadas com os alunos com deficiência intelectual e múltipla, tais como:
- Organização da cozinha.
- Guardar os alimentos na geladeira (leite, massas...)
- Organizar o armário.
- Lavar as vasilhas.
- Limpar o fogão.
- Limpar o chão.
- Lavar os panos de pratos e aventais.
- Faxina na cozinha uma vez por semana.
Relatório de desenvolvimento das atividades de culinária.
Todas as receitas executadas na cozinha experimental seguem uma mesma rotina de preparação, sendo elas:
1 - escolha da receita (de acordo com as encomendas da semana, e, de acordo com a receita que foi trabalhada em sala de aula);
2 - lista de compras;
3 - visitas a supermercados para fazer cotação de preços;
4 - distribuição (lista) dos produtos a ser comprado, para cada aluno procurar nas prateleiras observando data de validade, armazenamento e preços;
5- comparar marcas de produtos;
6- pagamento no caixa feito por um aluno escolhido, com a finalidade de trabalhar o dinheiro (valor da compra, quanto dei em dinheiro, quanto vou receber de troco).
7- armazenamento dos produtos da cozinha no local adequado;
8- a divulgação dos produtos é feita pelos próprios alunos dentro e fora da instituição;
O lucro obtido pelos produtos vendidos é empregado na compra de material para a cozinha.

Obs: Todos os alunos são envolvidos na confecção das receitas, limpeza e organização da cozinha, observando as habilidades e limitações de cada um.



BIBLIOGRAFIA:

- Livros. Livros de Receitas Culinárias para Baixar Grátis. Disponível em: <http://www.elivros-gratis.net/livros-gratis-receitas-culinarias.asp>.
- Educação Profissional e Colocação no Trabalho. Uma nova proposta de trabalho junto à pessoa portadora de deficiência.
- Guia para desenvolvimento de habilidades básicas; específicas e de gestão. Disponível em: <http://eduardobarbosa.com/sitedata/filesdt/textos_tecnicos/19/guia_habilidades_basicas.pdf>.
- Caderno de receitas.
-Internet: Links de Consultas:
 - Socorro na Cozinha. Disponível em: <http://socorronacozinha.com.br/receitas-iniciantes/>.
- 15 Receitas para quem está começando na Cozinha. Disponível em: <http://www.vix.com/pt/bdm/receita/2426/15-receitas-para-quem-esta-comecando-na-cozinha>.
- 12 Recitas para Iniciantes. Disponível em: <http://claudia.abril.com.br/gastronomia/12-receitas-para-iniciantes/>.
- 22 Receitas para Iniciantes na Cozinha. Disponível em: <http://claudia.abril.com.br/gastronomia/12-receitas-para-iniciantes/>.
- Culinária Básica. Disponível em: <https://www.comofaz.com.br/guia/culinaria-basica>.
- Comida do Dia. Disponível em: <http://comidadodia.ne10.uol.com.br/>.
- Receitas COPACOL. Disponível em: http://www.copacol.com.br/receitas>.
- Culinária Brasileira – 47 Receitas. Disponível em: <http://www.tudogostoso.com.br/especiais/receitas/9-culinaria-brasileira-1.html>.
- Gastronomia. Disponível em: <https://culinaria.terra.com.br/>.
- Culinária Básica – You tube. As receitas do dia a dia são mais fáceis do que você imagina. Aprenda com as dicas do Chef Guilherme Guzela. Disponível em: <https://www.youtube.com/playlist?list=PLB8w3e4sMYwAZ2m3yUAsN-7--efIGfVoQ>.

PESSOAL ENVOLVIDO:

- Alunos matriculados na EJA.         

CRONOGRAMA:

- Durante todo o ano letivo.

AVALIAÇÃO:

Por meio da observação e fichas preenchidas pelo professor (a) em todas as atividades realizadas pelo aluno com deficiência intelectual e múltipla, não sendo considerado somente o produto final mas, o esforço de cada um em realizar as atividades propostas na oficina de Culinária.





OBSERVAÇÃO: Projeto Oficina de Culinária, foi utilizado na Implementação do PDE da Professora Marilene Martini Piva 


RESUMO DO FILME ALÉM DA SALA DE AULA

RESUMO DO FILME: ALÉM DA SALA DE AULA

SOUZA[1], Vera Lúcia Pereira de

              O filme “Além da sala de aula”[2] (no originalBeyond the Blackboard) é inspirado em uma história verdadeira. A atriz principal é Stacey Bess[3], uma professora recém-formada que vai a procura do seu primeiro trabalho. Contudo, ao oposto do que idealizava, é contratada para uma escola nada convencional. Tratava-se de um projeto social para s pessoas sem-teto; as turmas eram multi seriadas e a escola nem nome tinha. Todavia, logo descobriu que não era somente um nome que estava faltando na futura escola.
          A jovem professora chega para seu primeiro dia de aula e verifica, infelizmente, a realidade: a escola era, na verdade, um pretexto para evitar que os alunos ficassem na rua. Não tinha uma preocupação com a aprendizagem dos alunos. Tanto que a escola era desprovida de tudo: não tinha livros, aparelhamentos para aprendizagem, higiene; os assentos e mesas jaziam em condições precárias; assim, como a estrutura física do ambiente escolar que, estremecia quando passava um trem ao lado da escola; e os alunos conviviam com ratos. A escola era tão carente de tudo que nem mesmo tinha um diretor. A quem apelar? Isso tudo somado a miséria extrema que Stacey Bess deparou naquela comunidade. Famílias desestruturadas, vícios, falta de emprego, fome, assim por diante. Como poderia ensinar para alunos, de díspares idades, em condições tão inumanas? Como aqueles alunos poderiam preocupar-se e entender as disciplinas de matemática, geografia, por exemplo, se a fome lhes arrancava a concentração?
        Stacey Bess, então, compreendendo que não poderia obter ajuda de seu chefe direto, começa a trabalhar por conta própria na reestruturação material e física da escola. Do próprio bolso adquire equipamentos, faz higiene no ambiente escolar, pinta. Junta a comunidade abrangendo pessoas do próprio acolhimento que, se põe a auxiliar. Trabalhando em um fim de semana, ou seja, sem ganhar nada por isso e consumindo do próprio dinheiro, os alunos puderam descobrir um ambiente revigorado. Para prover, pelo menos de maneira paliativa, a fome de alguns alunos, ela chega a levar alimento para a sala de aula. Chega, até mesmo, a levar para sua casa uma das alunas que tivera o pai excluo do abrigo, por ter sido pego com bebida alcoólica.
           O comparecimento de Stacey Bess transformou aquele ambiente. A própria mãe de um aluno, que havia sido repreendido por Stacey, agradece-lhe e pede para “ficar em cima”, para cuidar de seu filho. Ela, igualmente, auxiliou na disciplina daqueles alunos. Ela transformou a estrutura e a conduta dos alunos. Descobrindo, por exemplo, que a estranha conduta de uma mãe com sua filha, naquele episódio, era pelo fato da mãe não saber ler.
            Vemos nesse filme, infelizmente, uma grande relação com a realidade das escolas públicas do nosso país.
              Se a nossa Constituição[4] diz que a Educação é direito de todas as pessoas, concluímos que, assim, como no projeto da escola em tema seus administradores eram descuidados com a educação dos alunos, o Estado, igualmente, tem sido na qualidade da educação. O que fazemos é o seguinte: ou não damos o devido valor para o ensino das disciplinas com a pretexto do social, ou esquecemos o social, esquecendo-se que barriga vazia impede sim, uma boa atuação na escola, ainda mais juntado a grande situação de violência em que muito dos nossos alunos convivem.
              Contudo, a exemplo de Stacey Bess, alcançaremos bons frutos na educação se, em primeiro lugar fizermos o possível para auxiliar na estrutura social daqueles alunos, por exemplo, com a alimento, e, em seguida, não descuidar a educação cognitiva. Foi, de tal modo, que a professora transformou a realidade daquela escola: transtornando a realidade da comunidade escolar. Ela instruiu o que tinha que ensinar; mas, percebeu que, tratando-se de educação, o trabalho vai mais adiante da sala de aula, vai “além da sala de aula”.


BIBLIOGRAFIA

Além da Sala de Aula (filme). Título original: Beyond the Blackboard. Direção: Jeff Bleckner. 2011. Disponível em: <http://www.adorocinema.com/filmes/filme-233665/>.



[1] Professora PDE/2009. Professora QPM – SEED/PR. Trabalho apresentado na Implementação das Atividades do PDE/2016, da Professora Marilene Martini Piva.
[2] Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=4BUOV6-L8Mo>. Duração: 1:37’03”. 
[3] Disponível em: <http://www.staceybess.com/>.

sábado, 2 de julho de 2016

ENCONTRO DOS COORDENADORES REGIONAIS DAS ESCOLAS DAS APAES EM CURITIBA - 30/06 A 01/07/2016

ENCONTRO DOS COORDENADORES REGIONAIS DAS ESCOLAS DAS APAES EM CURITIBA - PR - 30/06 A 01/07/2016
ÁREA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
CONSELHO REGIONAL DE CASCAVEL - PR.

QUESTIONÁRIO LEVANTAMENTO DE DADOS
EDUCAÇÃO PROFISSIONAL
CONSELHO REGIONAL DE CASCAVEL

              Segundo, o Parecer 7/2014-CEE/CEIF/CEMEP[1] do Conselho Estadual de Educação, a Educação Profissional nas Escolas das APAEs, devem ser organizadas da seguinte forma:
CURSO
PROGRAMA
PROG. EDUCACIONAL ED. PROF. FORM INICIAL
Unidade Ocupacional de Qualidade de Vida;
Unidade Ocupacional de Produção;
Unidade Ocupacional de Formação Inicial.

              Ainda, segundo o Parecer supracitado, as Unidades Ocupacionais apresentam as seguintes possiblidades:

- Unidade Ocupacional de Qualidade de Vida: visa proporcionar condições de vivências e experiências de situações que ofereçam bem-estar físico, mental e ocupacional, possibilitando a realização pessoal, o exercício da cidadania e o desenvolvimento da autonomia e de independência. Esta unidade se destina a educandos com múltiplas deficiências, que necessitam de ajuda e apoio intenso e permanente, os quais não apresentam condições cognitivas, físicas e ou psicológicas de frequentar as demais unidades ocupacionais. Para essa Unidade, a Instituição Escolar poderá organizar Relatório, descrevendo as aquisições e aproveitamento, mesmo elementares, atingidos pelos educandos, que poderão ser convertidos em documento (Certificado).

- Unidade Ocupacional de Produção: dará continuidade ao processo educacional com diferentes atividades formativas e de organização de instruções das diferentes formas de aprimoramento ocupacional. Destina-se a educandos, jovens e adultos, que apresentam condições de realizar, com segurança, operações descritas em ocupações e que necessitam do acompanhamento sistemático para o aprimoramento do desempenho, podendo avançar para a Unidade Ocupacional de Formação Inicial ou permanecer nessa Unidade em processo contínuo. Considerando que este educando poderá avançar outros níveis de desenvolvimento, a Instituição Escolar poderá conceder documento comprobatório (Certificado), a partir de registro do desempenho e da apropriação operacional da formação profissional recebida.

- Unidade Ocupacional de Formação Inicial: possibilita ao educando a aquisição de conhecimentos teóricos, técnicos e operacionais, a partir de atividades consideradas profissionalizantes, com objetivo de incluí-los socialmente, por meio do trabalho desenvolvido, tanto na escola como nas empresas. Destina-se a adolescentes, jovens e adultos com necessidades especiais, com conhecimentos sobre organização e hierarquia, formação inicial para o mundo do trabalho, iniciativa, emancipação econômica e pessoal, os quais poderão ser contratados pelas empresas em cumprimento à cota de 5%, Lei n.º 8. 213/91 – Casa Civil.

              Assim, a Federação Estadual das APAEs do Estado do Paraná solicita a Coordenadoria Regional de Educação Profissional um levantamento de como esta organizada a Educação Profissional nas Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial, a partir da proposta do Parecer 07/2014, do CEE/R.

              Então, a partir da solicitação da FEAPAEs - PR, segue, logo abaixo, Levantamento de dados da Vossa Escola em relação a Educação Profissional, conforme o parecer supracitado.

              Informamos ainda, que necessitamos, com urgência, das Repostas do Levantamento da Educação Profissional até a data de 14/06/2016, pois, teremos que, tabular as respostas para podermos fazermos uma apresentação da realidade da Educação Profissional no nosso Conselho no dia 01/07/2016, no Encontro de Coordenadores Regionais das Áreas de: Educação e Ação Pedagógica; Educação Física, Desporto e Lazer; Educação para o Trabalho Emprego e Renda da FEAPAES/PR, que será realizado nos dias 30 de junho e 1º de julho de 2016, em Curitiba / PR, conforme Ofício Circular nº 045/2016, de 08 de junho de 2016 (segue em anexo).

              Assim, contamos com as vossas colaborações em prol dos alunos com deficiência intelectual e múltipla para que, possamos tornar a inclusão profissional dos nossos alunos uma realidade.


Vera Lúcia Pereira de Souza
APAE de Nova Aurora
Coordenadora Regional de
Educação Profissional do Conselho de Cascavel – PR
E-mail: veralucpsouza@yahoo.com.br (particular)
E-mail: apaenovaaurora@yahoo.com.br (APAE Nova Aurora)

LEVANTAMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL / 2016


CONSELHO REGIONAL DE CASCAVEL

NOME DA APAE:

NOME DA ESCOLA:

TEL/CEL.:

E-MAIL:
NOME DO (A) PRESIDENTE (A):

TEL/CEL.:

E-MAIL:
NOME DO (A) DIRETOR (A):

TEL/CEL.:

E-MAIL:
QUANTIDADE DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL:

QUANTIDADE DE INSTRUTORES DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

1. Quantos alunos frequentam a Educação Profissional?
                                                                                                                                            

2. Qual a quantidade de alunos matriculados na educação profissional nas seguintes faixas etárias?
(  ) 16 a 20 anos
(  ) 21 a 30 anos
(  ) 31 a 40 anos
(  ) 41 a 50 anos
(  ) 51 a 60 anos
(  ) acima de 61 anos

3. Quantos alunos da educação profissional apresentam múltipla deficiência?
                                                                                                                                            

4. Quantos alunos da educação profissional frequentam a Unidade Ocupacional de Qualidade de Vida?
                                                                                                                                            
4.1 Qual a quantidade de alunos da dessa unidade por faixa etária?
(  ) 16 a 20 anos
(  ) 21 a 30 anos
(  ) 31 a 40 anos
(  ) 41 a 50 anos
(  ) 51 a 60 anos
(  ) acima de 61 anos

5. Quantos alunos da educação profissional frequentam a Unidade Ocupacional de Produção?
                                                                                                                                            

5.1 Qual a quantidade de alunos da dessa unidade por faixa etária?
(  ) 16 a 20 anos
(  ) 21 a 30 anos
(  ) 31 a 40 anos
(  ) 41 a 50 anos
(  ) 51 a 60 anos
(  ) acima de 61 anos

6. Quantos alunos da educação profissional frequentam a Unidade Ocupacional de Formação Inicial?
                                                                                                                                            
6.1 Qual a quantidade de alunos da dessa unidade por faixa etária?
(  ) 16 a 20 anos
(  ) 21 a 30 anos
(  ) 31 a 40 anos
(  ) 41 a 50 anos
(  ) 51 a 60 anos
(  ) acima de 61 anos

7. Quantos alunos da educação profissional estão trabalhando no mercado formal (registrado com carteira de trabalho)?